2024: Project Room – O Ano de Guignard – Júlia Martorelli – 23/03/2024 a 20/04/2024

  • Sobre a exposição

    Galeria Murilo Castro e Project Room – laboratório experimental de curadoria – apresentam: A FRIA SENSAÇÃO DO AZUL: Um processo de experimentação com fluidos, linhas e vínculos. Exposição de Júlia Martorelli

    Júlia Martorelli, da novíssima geração de artistas egressos da Escola Guignard – UEMG, apresenta na exposição A Fria Sensação do Azul, fotografias, guaches, aquarelas e objetos esculturais resultantes de suas experimentações com conceitos e materiais elementares das artes plásticas.

    Ela trabalha com linhas, volumes, fluidos e cores – sua escolha pelo azul vem de vínculos e memórias retirados tanto de sua história pessoal, quanto do inconsciente coletivo.

    Buscando inspiração numa colcha azul que remetia à sua infância, Júlia iniciou sua jornada pelo universo da cor azul com linhas, corantes e manchas: barbantes embebidos em tinta eram lançados sobre a folha do papel onde pousavam aleatoriamente, deixando registrado o movimento lúdico do experimento. Uma reflexão nasceu durante a preparação para o tingimento dos fios em uma cuba de vidro cheia de água com corantes e tintas, onde tudo parecia um diorama das profundezas do mar: o que se passa naqueles locais com temperaturas congelantes e que, na imaginação de muitos, haveria uma total ausência de vida? Os desenhos produzidos nos “mostrariam” criaturas filamentosas coletadas nas fendas abissais dos oceanos e preparadas para a nosso assombro e admiração.

    Seguindo essa “linha”, Júlia faz uma composição temporária adicionando pedras de gelo na cuba de vidro que, recebendo luz – tal qual nos submarinos que exploram o fundo dos oceanos – assemelham-se a pequenos icebergs flutuantes. Composições cuja transitoriedade fora interrompida pelo registro fotográfico, ora apresentados na exposição. Tal qual os desenhos, as fotografias nos revelam mundos invisíveis, onde somos convidados a perceber detalhes de pequenas bolhas ar capturadas durante o congelamento; variações nas tonalidades do azul indo de partes luminosas até as sombras mais profundas. Desenhos e fotografias que operam em um jogo de revelar e esconder os universos Macro e Microscópicos e que dão nome às duas séries.

    No objeto escultórico Laços, uma longa “cabeleira” de fios de barbante tingidos de azul, nossa mente percorre e imagina os inúmeros vínculos possíveis – vínculos afetivos, vínculos com a história da arte – de Yves Klein, à quase bicentenária técnica fotográfica do cianótipo, passando pelas instalações de Cecília Vicuña (Chile, 1948) e de Tunga (Brasil, 1952 – 2016). No que começou, nas palavras de Júlia como um dispositivo para a execução dos desenhos a guache e aquarela, acabou tornando-se um trabalho totalmente independente e autônomo.

    Project Room na Galeria Murilo Castro – laboratório experimental de curadoria

    No ano em que a Escola Guignard comemora seus 80 anos, a Galeria Murilo Castro se abre para uma parceria com a escola, com a realização de quatro exposições ao longo do ano de 2024.

    Em alguns contextos de centros maduros de difusão de arte, algumas galerias abrem um espaço para experimentações onde curadores e artistas – sem vínculos permanentes com a galeria – são convidados para a realização de exposições temporárias em espaços alternativos dentro da própria galeria.

    É uma chance tanto para a galeria “experimentar” novos artistas, muitas vezes recém saídos das escolas de arte e que ainda estão nos círculos iniciais de reconhecimento como preconizados por Alan Bownes em seu livro The Conditions of Success – How The Moder Artist Rises to Fame de 1989, quanto para os artistas apresentarem seus trabalhos para colecionadores e críticos de arte.

    Foi nesse contexto que nasceu o Project Room – um laboratório experimental de curadoria, onde o curador, juntamente com Murilo e Nathália, selecionaram 4 artistas recém graduados da Escola Guignard para mostrarem seus trabalhos na galeria.

    Sobre o curador:

    Adriano Gomide é artista, curador e pesquisador em arte. Professor de Ensino Superior da Escola Guignard – UEMG, é Doutor em Artes pela UFMG, e Master of Fine Arts por The School of The Art Institute of Chicago. Vive e trabalha em Belo Horizonte.

    Abertura
    23/03/2024 – 11h às 14h

    Exposição
    de 25/03/2024 à 20/04/2024
    de Seg. a Sex. – 10h às 19h
    Sáb. – 10h às 14h

  • Sobre o Projeto

    Atividades comemorativas dos 80 anos da Escola Guignard-UEMG

    A Escola Guignard-UEMG, comemora neste ano bissexto, mais precisamente em 29 de fevereiro, o decreto de sua criação assinada por Juscelino Kubitschek, enquanto prefeito de Belo Horizonte.

    Nessas oito décadas de existência, muitas histórias marcaram a trajetória dessa Escola que se iniciou com um curso livre de arte e que no final dos anos 80, contribuiu sendo uma das 4 unidades que possibilitou a formação da Universidade do Estado de Minas Gerais.

    Marcada pela resistência frente às diversas dificuldades enfrentadas ao logo de sua história, a Escola do Mestre Guignard persistiu com o auxilio de parcerias afetivas e conquistadas.

    “A Paixão Segundo Guignard” é uma exposição fruto de mais uma parceria afetiva celebrada entre a Escola Guignard-UEMG e a Fundação Clóvis Salgado. Lugar histórico, configurado no nome: Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard! Lugar onde a escola permaneceu nos porões do Palácio das Artes por 40 anos até conquistar a sua Sede própria no bairro Mangabeiras.

    Como diz a cultura popular: alegria compartilhada, alegria redobrada! Neste propósito, seguimos em busca de compartilhamentos e partilhas comemorativas para darmos visibilidade à grande família Guignardiana!

    Tendo o projeto nomeado pelo arquiteto Gustavo Pena, “80 e Sempre”, a FCS criou uma série de eventos para comemorar a passagem do Mestre Guignard em Minas e a ressonância de seu rastro por meio de seus discípulos. A parceria afetiva iniciou-se em 2022 com o acolhimento da exposição dos Habilitandos da Escola Guignard na Sala Mari S’Tella Tristão pelo Presidente da Fundação, Sérgio Rodrigues Reis que também é ex-aluno da Escola Guignard. E como o afeto de um Guignardiano, propõe para o ano de 2024 um calendário comemorativo dos 80 anos da Escola Guignard.

    Abrindo as festividades do “80 e Sempre”:

    Concerto musical no Grande Teatro do Palácio das Artes:
    Dia 27/02- ensaio geral aberto ao público; Dia 28/02 – apresentação com ingressos populares a R$15,00. O concerto será feito com a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, com a presença dos músicos Marcus Viana, Toninho Horta, Tadeu Franco, Trio Amaranto, sobre as projeções de pinturas de Guignard.

    Dia 29/02 – Exposição “A Paixão Segundo Guignard” – Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard de 01/03 a 12/05. A exposição contextualiza a chegada de Guignard em Belo Horizonte em 1944 para a assumir o recém-criado curso de Belas Artes, apresenta estudos e obras do mestre e de seus alunos. A curadoria de Paulo Schmidt, que também é ex-aluno da escola, foca principalmente em desenhos e retratos pintados a partir da observação. Esta exposição só pôde ser viabilizada em função de parcerias firmadas entre a FCS, a Escola Guignard, Museu Casa Guignard, MAP, Museu Mineiro e colaborações de colecionadores.

    Ao longo do ano de 2024, a Escola Guignard fará ações e festividades sendo expostas primeiramente:

    Durante o período expositivo da exposição “A Paixão Segundo Guignard”.

    1. A primeira ação, está inserida na proposta curatorial, onde haverá dentro da grande galeria um pequeno espaço, cenário para a prática do desenho de modelo vivo. O espectador ao visitar a exposição verá o ambiente como se estivesse terminado uma aula de modelo vivo. Em alguns dias, com as datas e horários ainda a serem definidos, alguns artistas estarão dentro da galeria desenhando um modelo vivo no espaço definido atelier de desenho.
    2. Devido a grande galeria não possuir guarda-volumes para o público e nesta exposição termos obras de grande valor e tamanhos pequenos, teremos o apoio de estudantes dentro da Grande Galeria durante o período expositivo. Para essas ações a Escola Guignard fornecerá certificados para atividades complementares ACC aos estudantes.
    3. Além de ações dentro da grande galeria, ocuparemos espaços do Palácio das Artes e Parque Municipal com aulas de desenho de observação, criação, uso de aguadas propostas por artistas/professores e ou proposições de estudantes como atividade AEX.
    4. Práticas de desenhos com máscaras. Desenhos em superfícies como argila engobada onde o desenho é marcado definitivamente, desdobramentos da prática de desenho de observação, como o lápis duro que marca e não se apaga. Pesquisa de aguadas junto aos biólogos do parque para desenvolvimento de tintas naturais a partir das coletas no Parque Municipal. E outras atividades de oficinas ainda a serem propostas por estudantes como desenvolvimento de Atividades Extensionistas.
    5. Trabalho junto ao educativo no sentido de desenvolver além de narrativas, ações em conjunto de oficinas ao longo do semestre.
    6. A semana de aulas e atividades inaugurais do ano de 2024 iniciará em 11 de março nas dependências da Escola Guignard-UEMG e finalizará com uma aula inaugural dia 15/03 às 19h no auditório Juvenal Dias. O palestrante ainda está a confirmar. A vinda do convidado palestrante é de responsabilidade da UEMG.
    6.1 Mesa sobre a formação da Escola Guignard
    6.2 Mesa sobre o pensamento do desenho a partir de Guignard.

    7. Dia 30 de março, nesta data, comemora-se a primeira aula dada por Guignard. Por ser um sábado de feriado, ainda definiremos o dia da abertura (28/03 ou 01/04) da exposição “Era uma vez…” na Galeria Escola Guignard, curada pelo Ex-aluno e Professor da Escola Guignard Júlio Martins.

    8. Mesa de Thereza na Galeria Amílcar de Castro – Espaço aberto ao público, encerrando a exposição “A Paixão Segundo Guignard” com participação de alunos e ex-alunos, coleta de depoimentos para futuro vídeo-depoimentos. Homenagem aos professores Eméritos da Escola Guignard Maria Helena Andrés, Lótus Lobo e Antônio de Paiva Moura

    Congresso 80 anos da Escola Guignard
    Data proposta para junho

    Três dias de mesas de discussões, convidados e palestrantes a serem confirmados. Proposta encaminhada no edital FAPEMIG pelo Professor Dr. Pablo Gobira.

    Para o segundo semestre contamos com uma exposição coletiva da geração dos netos, bisnetos e tataranetos de Guignard.

    1. Professores/artistas que resistiram por mais de 40 anos no porão do Palácio das Artes até a conquista da Sede Própria e a posteriori sua incorporação à Universidade do Estado de Minas Gerais. São mais de 80 artistas/professores que mantiveram o legado do Mestre. Esta exposição planejada para o segundo semestre de 24, ainda está com data a ser definida. A proposta inicial é a de ocupar as Salas Arlinda Corrêa Lima e Genesco Murta, local que abrigou por quarenta e poucos anos a Escola Guignard. A curadoria coletiva entre a FCS e Escola Guignard tem o intuito de trazer o protagonismo da Escola em seu sentido mais orgânico. A princípio, pensamos que seria interessante fazermos a plotagem da planta baixa da Escola Guignard no piso das galerias e no caso de necessitarmos de mais parede, subirmos as divisórias onde eram os espaços de divisores de fato na época, como por exemplo a sala de gravuras, a sala de criatividade, enfim, fizemos um levantamento de mais de oitenta artistas/professores ligados ao legado de Guignard, mas que estamos discutido com Uiara a definição do período expositivo.

    Nesta segunda exposição, pretendemos seguir com:

    1.Ações de oficinas no espaço da Galeria Amílcar de Castro e no Parque Municipal. Desenhos feitos no chão em grande escala. Queima de cerâmica a céu aberto, dentre outras atividades. 2.Apoio de estudantes dentro da Galeria (segurança) 3.Trabalho em parceria com o educativo, criação de material e propostas de ações. 4.Mesas redondas com artistas dando seus depoimentos quanto ao ensino proposto e a efervescência artística da Escola Guignard e a cidade. Os causos da Escola no período da ditadura militar, festivais de inverno, happenings realizados na Avenida Afonso Pena em frente ao Palácio das Artes e Parque Municipal. Artistas convidados. Marco Túlio Resende, Lótus Lobo, Eymard Brandão, José Gouvêia, Humberto Guimarães, artistas dos anos 70, 80 e 90.

    Exposição Última geração de artistas da Escola Guignard-

    Data a ser definida Nov/ Dez O Projeto “80 e Sempre” no espaço da FCS finaliza com a mostra da última Geração de artistas habilitandos da Escola Guignard. Esta mostra, tem a curadoria coletiva dos professores de Habilitação da Escola Guignard em parceria coma Fundação Clóvis Salgado.

    Ações e exposições em parceria a outros espaços, instituições

    Câmara Municipal de Belo Horizonte
    Exposição 80 anos da Escola Guignard na Câmara Municipal de Belo Horizonte Data prevista para Abril de 2024 Abertura: semana de 19 a 23 de abril de 2024 Duração: mínimo de 30 dias A presente proposta de exposição, com curadoria do professor doutor Adriano Célio Gomide, insere-se nas comemorações em 2024 dos 80 anos da Fundação da Escola Guignard – UEMG. A mostra será baseada no Acervo Artístico e Museológico da Escola Guignard que conta com importante coleção de obras de arte, documentos e fotografias que contam a história da escola mostrando sua trajetória e de como ela se consolidou como uma das mais importantes escolas de arte do país. Essa consolidação tem apoio num tripé: a manutenção e transmissão do legado do Mestre Alberto da Veiga Guignard; a formação de artistas e professores de arte com participação ativa no debate do que é mais relevante na arte contemporânea apontando caminhos para o futuro; e a inserção na sociedade através das ações de ensino, pesquisa e extensão da Escola Guignard inseridos no contexto da Universidade do Estado de Minas Gerais.

    Museu Mineiro
    Exposição Habilitandos Escola Guignard em continuidade a parceria com o Museu Mineiro , com data a definir

    Biblioteca Pública
    Nova parceria com a Galeria da Biblioteca Pública data reservada de novembro de 24 à janeiro de 2025 Exposição de Habilitandos Escola Guignard. Corredor Galeria do Anexo da Biblioteca disponível para ações AEX ao londo de 2024.

    BDMG Cultural
    Exposição Homenagem a Sara Ávila – Parceria confirmada Congresso de Reitores no Auditório do BDMG Cultural Maio/24 Em conjunto – Exposição Projeto Litografia, Gravuras de Fátima Pena, Orlando Castaño, Paulo Henrique Amaral, Nara Firme, Humberto Guimarães, Liliane Dardot, Lorena D’Arc.

    Museu Casa Guignard- Semana de Guignard junho Projeto – Percurso dos Passos de Guignard, acompanhado de um professor de História da Arte e um professor de desenho com intuito de realizar desenhos de observação a partir de lugares onde Guignard desenvolveu obras a partir da observação. Reserva da Galeria do Museu Casa Guignard para uma pequena mostra coletiva resultado da produção do Percurso dos Passos de Guignard.

  • Informação(ões) do(s) artista(s)

    Júlia Martorelli é uma Artista Plástica natural de Belo Horizonte, Minas
    Gerais, e é graduanda em Artes Plásticas na renomada Escola Guignard de
    Minas Gerais. Possui habilitação em Desenho e uma fascinação pela
    estética da dinâmica dos fluidos. Sua abordagem artística incorpora
    elementos como água, água sanitária, corante, guache e barbante,
    explorando assim as interações com o intuito de expressar conceitos de
    mudança e inconstância. Seu projeto A fria sensação do azul é um mergulho
    profundo nesse universo fluido e gelado, utilizando da fotografia para
    capturar os momentos efêmeros e criando aquarelas que abstraem esses
    elementos. Os barbantes desempenham um papel crucial em suas criações,
    presentes em todo o processo artístico, se tornam enfim objetos, que têm
    por função formar o elo entre todas as etapas de seu trabalho. A artista está
    constantemente desafiando e experienciando as fronteiras da estética dos
    fluidos, oferecendo assim uma perspectiva diferente sobre a efemeridade e
    a transformação.

  • Imprensa

    Não Disponível